Vereadores pedem vistas ao projeto e votação da verba indenizatória é adiada

O Projeto de Lei n.65/19, que trata da criação da Verba Indenizatória, para o prefeito, vice e cargos do primeiro escalão do Poder Executivo ganhou mais duas semanas de análises e debates na Câmara de Vereadores.
A solicitação de vistas ao projeto, foi realizada pelo vereador Dr. Jaime Floriano (PDT), durante a sessão ordinária desta segunda-feira (12). O pedido foi aprovado com cinco votos.
Segundo o vereador, uma nova proposta deve ser discutida com o prefeito Luiz Binotti, esta semana. A ideia é reduzir o valor e manter a verba indenizatória somente para os secretários municipais.
“Acho que os secretários têm que receber a verba ou teria que aumentar os salários, porque é pouco. Nós já perdemos bons profissionais por conta do baixo salário. Se queremos que o município cresça, precisamos de secretários bons ajudando o prefeito.”
O projeto estabelece o pagamento do benefício para o prefeito (R$ 8 mil), vice (R$ 4 mil), secretários, procurador, diretor do Saae e diretores de Desenvolvimento Sustentável e de Desenvolvimento Humano (R$ 6 mil).
De acordo com o vereador Jiloir Pelicioli (Mano – PDT), o pagamento da verba indenizatória custará ao município aproximadamente R$ 1.3 milhão por ano, recurso que poderia ser investido em saúde e educação.
“Eu me manifestei contra esse projeto desde o início. Se olharmos para a situação do País, Estados e municípios, estão todos cortando gastos. Mais de 90% da população também é contra esse projeto. É preciso pensar no povo.”
A verba indenizatória tem como objetivo substituir as diárias, adiantamentos, passagem e ajuda de transporte que são pagos ao prefeito e servidores, no desenvolvimento do trabalho, dentro do estado.
A vereadora Cristiani Dias (PT), ressaltou que o pagamento da verba irá facilitar o trabalho dos secretários, uma vez que, os pedidos de adiantamento de viagem são muito burocráticos.
“A verba indenizatória resolve muita coisa. Com ela, o município não precisa custear as despesas dos secretários dentro do estado. Se você somar o valor gasto com os adiantamentos e o valor da verba fica muito parecido.”
Com o pedido de vistas, o projeto tem 15 dias para ser novamente analisado e votado.

Ascom/Marcello Paulino