trabalhadores do transporte escolar e turismo fazem manifesto cobrando retomada das atividades

- Publicidade -

Os trabalhadores do setor de transporte escolar, turismo e similares fizeram, esta tarde, uma carreata que saiu da praça da igreja Nossa Senhora da Rosa Mística e percorreu diversas ruas de Lucas do Rio Verde. O objetivo da ação, segundo os organizadores, é que os órgãos públicos responsáveis passem a entender que o segmento e foi um dos primeiros a suspender as atividades devido à pandemia do novo Coronavírus.

“Somos uma das classes mais afetadas. Fomos um dos primeiros a parar e seremos os últimos a retornar. Por isso fizemos essa manifestação passiva, com todo cuidado, pedimos o suporte e liberação de todos os órgãos competentes”. “Tínhamos que vim mostrar nossa cara, porque estamos com dificuldades financeiras, estamos com uma situação adversa”, ressaltou um dos organizadores Noel Dias.

- Publicidade -

Ele afirmou ainda que “todas as empresas luverdenses foram atrás, ver o que era possível fazer em cada segmento, fizeram suas conversas e conseguiram apoio dos órgãos competentes. Nós não somos diferentes, viemos para que os órgãos nos deem uma atenção, estamos precisando bastante, tendo em vista que temos famílias, geramos empregos e continuamos 100% parados, tanto as vans escolares, de turismo, de fretamento”, acrescentou.

Ainda de acordo com Noel, outros setores da comunidade também já cobra o retorno do segmento de transportes. “Sabemos que a questão é delicada, mas acredito bastante que essa situação de voltar as aulas, por exemplo, pode ajudar. Vejo que já alguns municípios da região tomando atitudes bacanas, com muito cuidado, então aposto bastante que esse ponto até dos pais estarem cobrando ajuda, os acadêmicos sobre as faculdades também”, enfatizou.

“Sabemos que não depende de nós, nem só da prefeitura. Essa é uma questão que a cada dia deve-se tomar uma decisão diferente, mas acredito bastante que com o apoio dos luverdenses conseguiremos, iremos somar forças e passaremos por essa situação atual da melhor maneira possível”, completou.