Prefeitura realiza mutirão de combate à dengue no bairro Jardim das Palmeiras

Nesta sexta-feira (14), a equipe da Vigilância em Saúde, realizou um mutirão no bairro Jardim das Palmeiras para combater o mosquito aedes aegypti. A ação foi dividida por quadras, as equipes vistoriaram as casas e orientaram os moradores sobre água parada e os sintomas da dengue, zika e chikungunya.

O supervisor de campo, Elcio Oliveira, lembra que Lucas do Rio Verde está em um momento de alerta em relação as notificações de dengue. “ Os números de notificações aumentam todos os dias, por isso estamos fazendo esse mutirão para conscientizar a população. Começamos pelo bairro Jardim das Palmeiras porque é um dos mais críticos da cidade, acreditamos que com uma equipe grande, trabalhando junto, vamos conseguir diminuir esses números”.

Os números de notificações de dengue registradas no início de 2020 são alarmantes em Lucas do Rio Verde. Foram 300 notificações apenas nesse começo de ano, número altíssimo comparado ao ano inteiro de 2019, onde foram registradas 516.

“Precisamos combater a dengue e realizar vários trabalhos para que tenhamos resultado positivo. Os números estão alarmantes e a população tem que entender que precisa fazer sua parte. Não adianta fazer mutirão, os agentes fazerem visitas se o morador não ajudarem. O trabalho é em conjunto e só vamos vencer o aedes aegypti se todos fizerem sua parte”, ressalta a supervisora de Vigilância em Saúde Keli Paludo.

Durante os dois dias de mutirão foram visitadas 27 quadras do bairro Jardim das Palmeiras.  Ao todo, 12.652 imóveis já foram inspecionados na cidade. A supervisora de Vigilância em Saúde conta que muitas casas ainda serão inspecionadas e que outras ficaram sem visitas, pois os agentes não tiveram sucesso na abordagem.

“Visitamos muitos imóveis, mas vários ficaram de fora por não ter ninguém em casa e outros que não atenderem os agentes. Pedimos para que a população abra o portão para que os agentes façam as inspeções, muitas vezes o morador não consegue detectar o foco do mosquito e nossos agentes são treinados para isso. O trabalho só pode ser eficiente se todos colaborarem”, afirma a supervisora.