Ibama autoriza iniciar obras de Ferrovia da Integração com traçado em Lucas do Rio Verde e região

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) autorizou as obras da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (FICO), entre Mara Rosa (GO) e Água Boa, pela região Araguaia em Mato Grosso. A licença de instalação da linha férrea foi concedida, nesta terça-feira. Com isso, as obras, do ponto de vista ambiental, estão aptas a serem iniciadas, a partir do próximo ano.

O trecho de 383 quilômetros vai interligar o Vale do Araguaia, região produtiva e em desenvolvimento de Mato Grosso, com a Ferrovia Norte-Sul, favorecendo o escoamento da safra aos portos de Santos (SP), de Itaqui (MA) e, no futuro, de Ilhéus. No total, o empreendimento conta com obras em 12 municípios, que serão realizadas pela Vale, por meio de investimentos cruzados, a partir da outorga da prorrogação antecipada do contrato da Estrada de Ferro Vitória-Minas (EFVM).

“Trata-se de uma grande notícia. Com a licença de instalação, poderemos iniciar as obras já no ano que vem. Assim, a FICO começa a se tornar realidade, ligando o Vale do Araguaia à Ferrovia Norte-Sul. Mais uma ferrovia do nosso programa que sairá do papel”, comemorou o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

A estimativa é que sejam investidos R$ 2,73 bilhões nas obras. Em 2025, a ferrovia será capaz de movimentar cerca de 13 milhões de toneladas úteis. A previsão é que, ao longo do contrato de concessão, sejam gerados 116 mil empregos, entre diretos, indiretos e efeito-renda.

O Ibama estabeleceu uma série de demandas, contidas no Plano Básico Ambiental, o que inclui programas voltados para flora, fauna, gerenciamento de resíduos sólidos, monitoramento da qualidade da água, plantio compensatório e prevenção a queimadas, por exemplo.

Segundo o governo, o projeto da FICO é tido como um dos mais sustentáveis do programa de concessões federal. Nenhuma unidade de conservação é interceptada e o traçado licenciado é 1,4 km distante das unidades de conservação mais próximas à ferrovia. Além disso, o traçado licenciado não intercepta nenhum assentamento. Também não abarca nenhuma terra indígena ou comunidade remanescente quilombola dentro ou fora da Amazônia legal.

Na segunda etapa, a previsão é que sejam feitos 518 quilômetros de trilhos entre Água Boa e Lucas do Rio Verde, onde será construído um terminal de cargas. A terceira etapa da ferrovia abrange um trecho de 740 quilômetros de Lucas até o município de Vilhena (RO). No total, a ferrovia deve ter um traçado de 1.638 quilômetros.

Além de Lucas do Rio Verde mais de 10 municípios da região Médio Norte devem estar no traçado da ferrovia.