Com o apoio da Prefeitura de Lucas do Rio Verde, por intermédio das secretarias municipais de Segurança e Trânsito e de Assistência Social, a Polícia Judiciária Civil concluiu 20 inquéritos (crimes contra vulneráveis) deflagrados, entre os dias 22 de novembro e 10 de dezembro deste ano, na Operação Acalento.

Esse trabalho foi realizado graças ao programa Jornada Extraordinária, criado pelo Município por meio da Lei nº 3.164/2021 e regulamentado pelo Decreto nº 5.505/2021, que remunera agentes das forças de segurança que atuam nos horários de folga, de maneira voluntária.

De acordo com o delegado da Polícia Civil do município, Eugênio Rudy, o acúmulo de inquéritos estava muito grande, por falta de estrutura, desde 2014, e isso estava causando uma impunidade, visto que a vítima sequer era ouvida em sede judicial. “Todos os 20 inquéritos foram distribuídos para o Judiciário, que por sua vez vai abrir vista para o Ministério Público, que fará a análise e poderá fazer as denúncias”, explicou.

Para esta operação, que foi a primeira do tipo no município, foram convocados dois escrivães e um investigador de polícia, que ficaram exclusivamente dedicados para a conclusão dos inquéritos – além dos profissionais que atuam aliados ao Núcleo de Atendimento à Criança, Adolescente, Idoso e à Mulher.

A psicóloga Rhayane Oliveira, cedida pela Prefeitura para trabalhar no Núcleo, disse que, muitas vezes, quando a criança, por exemplo, no seu espaço doméstico, fala da violência que sofreu, acaba sendo desacreditada. “Aqui, ela terá espaço para falar. Tanto ela como os seus pais serão bem acolhidos pela nossa equipe”, completou.

A Prefeitura de Lucas do Rio Verde orienta a sociedade para que haja cuidado redobrado com as crianças. “Quando conversamos com a polícia, entendemos a dificuldade que existia. Por isso, hoje, nos sentimos bastante felizes pelo resultado dessa operação”, declarou a secretária de Assistência Social e primeira-dama do município, Janice Ribeiro.

O titular da pasta de Segurança e Trânsito, Paulo Nunes, falou que o trabalho realizado, por meio do programa Jornada Extraordinária, com melhores condições para os agentes da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil e Corpo de Bombeiros, mostra que “a união faz a força”.

“Esse programa é uma alternativa que encontramos, visto que atualmente o Estado não tem condições de mandar novos efetivos para nossa cidade. Então, o pagamento das horas extras feito pelo Município é muito importante”, destacou Paulo Nunes.

Para o promotor de Justiça, Daniel Carvalho, o trabalho realizado na Operação Acalento já significa um “alívio imenso”.

A Polícia Judiciária Civil divulgou, na manhã desta sexta-feira (10), cartazes de dois foragidos e pede que a população luverdense coopere, por meio do número de contato para denúncia – que é o 197. “O trabalho em conjunto com o povo é de fundamental importância e tem feito a diferença aqui em Lucas”, disse a investigadora da Polícia Civil, Glaci Lins.

A partir de janeiro de 2022, novas operações, deste tipo, serão realizadas em Lucas do Rio Verde. Todo o trabalho é feito com apoio da Prefeitura.

<< Matéria anteriorResultado de pesquisa de cursos é apresentado à reitoria da UFMT
Próxima matéria >>Com investimento de mais de R$ 5 milhões, Lucas do Rio Verde conta com novos veículos na frota municipal